29 março 2008

Bem informado?...

"Pérola" encontrada no EurekAlert:

Texas A&M University

Um maior conhecimento sobre o Aquecimento Global leva à apatia, mostra um estudo

COLLEGE STATION – Quanto mais uma pessoa sabe, menos se importa – ao menos é o que parece ser o caso com o Aquecimento Global. Uma pesquisa de amostragem por telefone com 1093 americanos, realizada por dois [sic] cientistas políticos da Universidade Texas A&M e um antigo colega, mostra essa tendência, como explicaram em seu recente artigo na publicação (revisada) Risk Analysis.

“Os entrevistados mais informados tanto se mostraram menos pessoalmente responsáveis pelo Aquecimento Global, como também mostraram menos preocupação com o Aquecimento Global,” declara o artigo, intitulado “Personal Efficacy, the Information Environment, and Attitudes toward Global Warming and Climate Change in the USA”.

O estudo mostrou que altos níveis de confiança nos cientistas, entre os americanos, levava a um menor senso de responsabilidade pelo Aquecimento Global.

A preocupação menor e o menor senso de responsabilidade voltam na face de campanhas de conscientização sobre as mudanças climáticas, tais como os filmes "Uma verdade inconveniente" e "A Era do Gelo: o Derretimento", e a crescente ênfase dada pela grande mídia sobre o tema.

A pesquisa foi realizada por Paul M. Kellstedt, um professor associado de ciência política na Texas A&M; Arnold Vedlitz, Bob Bullock, titular da cadeira "Governo e Política Pública" na Escola George Bush de Governo e Serviço Público da Texas A&M’s; e Sammy Zahran, anteriormente da Texas A&M e, atualmente, professor assistente de sociologia da Universidade do Estado do Colorado.

Kellstedt diz que as descobertas foram um pouco inesperadas. O foco do estudo não era, diz ele, medir o quanto os americanos são informados acerca do Aquecimento Global, mas em entender por que alguns indivíduos que são mais ou menos informados sobre isso, mostravam mais ou menos preocupação sobre o assunto.

“Neste sentido, nós realmente não tínhamos quaisquer expectativas sobre o quanto conscientes ou inconscientes as pessoas eram acerca do Aquecimento Global”, diz ele.

Mas, acrescenta ele, “A descoberta de que os entrevistados mais informados estavam menos preocupados com o Aquecimento Global e se sentiam menos pessoalmente responsáveis por ele, nos surpreendeu. Nós esperávamos exatamente o oposto”.

“As descobertas, embora de modesta magnitude – existem outras variáveis que nós medimos, que têm efeitos muito maiores sobre a conscientização sobre o Aquecimento Global – são estatisticamente robustas, o que significa que elas continuaram aparecendo, qualquer que fosse a maneira com que modelássemos os dados”.

Medir o conhecimento acerca do Aquecimento Global é um negócio arriscado, acrescenta Kellstedt.

“Isso é verdade para muitas outras coisas que gostaríamos de medir em pesquisas, é claro, especialmente coisas que poderiam causar embaraço nas pessoas (tais como a ignorância), ou que pudessem sofrer alguma pressão social para serem omitidas (tais como preconceitos)”, diz ele.

“Não existem padrões industriais, por assim dizer, para medir o conhecimento acerca do Aquecimento Global. Nós optamos por realizar uma medição direta e entender que outras medições poderiam produzir resultados diferentes”.

Agora, por bem ou por mal, os cientistas têm que lidar com a grande confiança que o público tem neles. “Mas não deve ser consolador para os pesquisadores na comunidade científica que, quanto mais as pessoas confiam nos cientistas, menos estejam preocupadas com suas descobertas” concluem os pesquisadores em seu estudo.

###


O que deixa alguma dúvida sobre se realmente cabe aos cientistas algum papel nas decisões éticas... Talvez o principal papel seja esclarecer o público de que a ciência jamais afirmou ter todas as respostas.

Na verdade, os cientistas responsáveis sempre apregoaram não ter, sequer todas as perguntas...

3 comentários:

Clarissa disse...

É verdade. Parece que quanto mais respostas e perguntas, mais dúvidas e consequentemente, ainda mais perguntas e futuras respostas vêm. Um dos clientes da agência que eu trabalho tenta fazer a sua parte explicando como tudo funciona em: www.hsw.com.br :)
Abraços, Clarissa

Somel Serip disse...

João Carlos , olá !
O passado pode ser visto hoje ! É só olharmos uma estrela para termos a visão do passado real !
O futuro pode ser "visto" na análise ética executada por um cientista ( ou por um inventor ) para se permitir , ou não , a divulgação da sua descoberta .
Abraços à Todos !
Somel Serip .
somelserip@gmail.com

Somel Serip disse...

João Carlos , olá !
Bem , estou retornando ao seu artigo pois esta questão do aquecimento global é , na realidade , independente de uma ação individualizada ! Isto é provado pela frustração da mais recente reunião global para "os governantes criarem um programa global para reduzir as causas do aquecimento ".
Portanto , caro amigo , é sim um problema de solução política !
Nós , meros mortais , só nos iludimos em ficar reduzindo o que na realidade não irá impedir , nem mesmo amenizar o rítimo imposto pelo interesse político capitalista global !
Este deve ser o motivo dos mais bem informados não assumirem participar ativamente da redução do aquecimento individualizada !
Abraços à todos !
Somel Serip .