19 julho 2006

Não é um país sério...



Vejam se dá para aguentar... Olhem só o tipo de notícia que se publica sobre o Brasil no exterior. Essa é uma reportagem especial do The Guardian.

O Projetado Museu do Sexo no Rio.
Tom Phillips no Rio de Janeiro
Quarta-feira, 19 de Julho de 2006
The Guardian
Foto: Marcio Nisembaum

Dizer a sua avó de 71 anos que você planeja construir uma gigantsca réplica de um útero na porta da casa dela pode ser uma tarefa das mais desagradáveis para qualquer neto.

Entretanto, esta é sina ne Igor de Vetyemy, um jovem arquiteto brasileiro, por trás de um controverso projeto de construir um museu inspirado totalmente pelo sexo em uma das mais famosas praias do mundo.

O plano de erigir uma "Cidade do Sexo" "interativa" logo ao lado da Praia de Copacabana dividiu o Rio de Janeiro – uma cidade renomada por sua sensualidade, mas igualmente uma empenhada [orbrigado, Maria!] em acabar com o turismo sexual e a prostituição infantil.

Empenhada em romper os laços de sua cidade com o turismo sexual, a Governadora evangélica do Rio, Rosinha Matheus, recentemente proibiu a venda de cartões postais exibindo mulheres nuas. Embora ela ainda tenha que se pronunciar oficialmente sobre o projeto, as plantas para o museu não devem agradá-la.

Alardeando casas de striptease, "cápsulas" para sexo e um clube de "swing" – tudo empacotado em um labirinto branco futurístico e fálico – o planejado museu se parece com um gigantesco estúdio de filmagem de "A Laranja Mecância" de Stanley Kubrick.

«O Brasil tem esta enorme ligação com o sexo, mas não tem um museu para celebrar esse fato», diz Vetyemy, 25, cujos partidários vão do Prefeito do Rio a Nigel Coates, o arquiteto britânico da Zona do Corpo do "Millenium Dome".

«Existe esta enorme hipocrisia envolvendo o sexo aqui. As pessoas ficam aterrorizadas em falar acerca da idéia e somente discutem as coisas negativas relacionadas com o sexo, tais como o turismo sexual ou a prostituição infantil. Eu quero lidar com isso de maneira natural e oficial», diz Vetyemy, um arquiteto formado por Oxford.

O Sr. Coates disse que o projeto seria um passo chave na atualização da tradição do Rio em arquitetura contemporânea. Mas isso não é consolo para os residentes de Copacabana. «É totalmente absurdo», diz Horácio Magalhães, líder da Associação dos Moradores e Amigos de Copacabana. «O projeto so pode servir para encorajar o turismo sexual e estigmatizar o bairro».

A controvérsia cresceu durante esta semana, na medida em que outros mebros proeminentes da sociedade carioca juntaram-se ao debate. Zuenir Ventura, autor de "Cidade Partida", um livro a respeito das divisões sociais no Rio, acusou o projeto de "segregacionista". O que os que apoiam a idéia chamam de "sexódromo", disse ele, seria um bordel gigante.

Mas Vetyemy não se arrepende. «Não é uma coisa que vá denegrir a viinhança - é um projeto sério», disse ele. «Teoricamente, minha avó realmente gostou da idéia - até que ela compreendeu que ele poderia ser realmente construído»

Examinando a fotografia acima, bem que o Prefeito e o Sr. Vetyemy poderiam colocar a idéia dentro da estrutura e fazê-la de supositório.

Em uma cidade onde falta praticamente tudo e os serviços públicos são de péssima qualidade, construir um museu para o Sexo, das duas, uma: ou o pessoal que quer construí-lo precisa de um museu para se lembrar de como se faz sexo; ou estão querendo mais é foder a paciência do cidadão.

Eu só fico pensando se o The Guardian publicaria um lixo desses se o arquiteto não fosse formado por Oxford...

5 comentários:

No Sexy Nick disse...

hahahahahhahahaha...

João, eu JURO pra vc q tentei não rir... mas não dá!!!... ahahahha

Eu acho sim q um "museu do sexo" seria interessante... explicando a evolução humana e genética... explicando o processo de gestação (hormonal, psicológico e físico) e falando sobre as variadas forma de aborto... tendo uma sessão "infantil" (ou "infanto-juvenil) resumindo as aulas q eles chamam de "educação sexual"... explicando como seriam feitos os estudos de células tronco... explicando a clonagem e sua utilidade... os distúrbios psíquicos ligados à sexualidade...

E, claro, q não poderia faltar a "evolução" da profissão mais antiga do mundo e o "Kama Sutra", bem como algumas "técnicas sexuais" (conhecidas ou não...rs), numa parte "divertida"...

Mas se fosse um negócio sério e de utilidade pública... Existem diversos meios de se divulgar e trabalhar com o sexo mas...

só acho q o museu não precisava ter essa "arquitetura"...rs... VULGAR demais...

Seja o arquiteto formado em Oxford ou em qualquer outra faculdade de qualquer outro lugar do mundo... isso não seria uma idéia concebível, a princípio, num país como o Brasil... ainda não temos a ideia de "liberdade" q determinados povos europeus tem, os quais acham q "tudo é normal"...

Sei lá... a idéia em si eu acho legal... mas a arquitetura, eu achei um lixo!...

Bjos pra vc!
PS: Realmente se o cara fosse formado aqui não haveria essa publicação internacional, a não ser q fosse uma "ação conjunta"... mas creio q alguem formado no Brasil não tem esse conceito "arquitetonico"...

Maria Guimarães disse...

que coisa... será verdade?
ou será daquelas coisas que um arquiteto megalomaníaco propôs como projeto de fim de curso e ninguém nunca levou a sério?

"emprenhada em acabar com o turismo sexual" foi ato falho?

João Carlos disse...

Veri: coisa de "bichinha" inglesa...

Maria: Já corrigi... Má, si non é vero, é bene trovatto...

Silvia Cléa disse...

OI, João!

Ou esse empreendimento é algo "para inglês ver", ou com o tal projeto arquitetônico, vai mesmo é estimular o turismo sexual!!!! Não concorda? ;)))
Que coisa mais non sense...

João Carlos disse...

Sílvia: sem contar que, em termos puramente estéticos, o troço é horroroso...

E a "proposta cultural" é de uma vulgaridade chocante.

Só um idiota como o Prefeito do Rio para apoiar um "factóide" tão rastaquera...